quinta-feira, 14 de junho de 2012

Poema de prisão - Por Joilson Santos




 São muitos os motivos que me prendem a ti...
Toda vez que eu me pego sozinho
Quero voar pra bem longe daqui...

Em um sonho eu vi um anjo lindo
Não podia ser outra coisa...
Era o meu amor que chegava sorrindo

A noite, no silêncio do meu quarto
Ouvi um barulho no assoalho...
Como se fosse de sapato

Fiquei apavorada
Me sentindo sozinha, numa prisão
corri em desparada!

Não sei o que era, ném o que queria
Pudera, não fiquei fazendo sala
Na verdade, o que seria?

Vou contar uma coisa pra vocês...
Se eu ouvir isso de novo, outra vez...
Vou chamar a Dona Inês.

Mulher brava, corajosa!
Pau de dar em doido
Mas quando quer é toda prosa

Essa sim, é mulher de fé
Não conta de um até três
Nem chama o seu zé...

Foi tanta assombração
Que eu esqueci o que dizia
No momento de aflição!

Agora deixa pra lá...
Não lembro nem o que eu fazia...
Neste poema de prisão...




(Foto e poesia de Joilson Santos)


Nenhum comentário:

Postar um comentário